Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

BAGA PAN PAN PAN (BB136)

Julho 11, 2022

Tarcísio Pacheco

Olho-Nu-20ago14.jpg

imagem em: Touradas à corda representam 2,47% do PIB dos Açores - NATURALES (naturales-tauromaquia.blogspot.com)

BAGAS DE BELADONA (136)

HELIODORO TARCÍSIO          

BAGA PAN PAN PAN – O título da baga de hoje é uma onomatopeia, mas não tem nada a ver com o nome do partido, é o som de um toiro do Humberto Filipe (esse é único partido a que pertenço), daqueles bem grandes, às marradas no deputado do PAN que o quer condenar à não existência. Arreia-lhe pra baixo, meu bicho lindo, não te acanhes.

Creio ter-me cruzado recentemente, nestas páginas com uma notícia sobre uma proposta legislativa do PAN no sentido de acabar com as touradas em todas as ilhas onde elas ocorrem. Dei-lhe a pouca atenção que me merece. No entanto, é uma oportunidade para, mais uma vez, me referir a este assunto.

Para que não haja dúvidas, sou um acérrimo defensor da tourada á corda da Terceira, deixando de lado, por enquanto, a tourada de praça, por sempre ter achado que são bastantes diferentes, nos seus pressupostos e implicações.

Defendo a tourada à corda com paixão, mas não a invoco no meu argumentário porque as paixões de uns são os ódios de outros, o que é perfeitamente compreensível e aceitável. Tento defender a tourada à corda com argumentos racionais e que fazem sentido, pelo menos para mim. Por isso, sinto-me à vontade para dizer que defender de forma isolada o fim das touradas à corda nos Açores, é uma patetice sem nexo. Tivesse o PAN incluído esta questão num rol imenso de problemas que afetam o bem-estar animal e já seriam coerentes. O PAN exige que se acabem todas as touradas nos Açores. Se, por exemplo, ao mesmo tempo, exigisse que se acabasse definitivamente com a criação de animais para abate e consumo humano, se almejassem acabar com o bife à portuguesa, a costeleta de novilho, a alcatra, a morcela, as linguiças e a bifana, essa instituição regional e quisessem pôr toda a gente a comer couves e cenouras com arroz, eu rir-me-ia de tal candura, mas aplaudiria a coerência. Assim, resta a singela patetice.

O meu primeiro argumento, não o é, na verdade, é apenas um facto que, como tal, não é escamoteável. O toiro de lide terceirense, só existe porque, com o tempo e muito trabalho, se apurou a raça e as suas características de bravura, através do cruzamento, da melhoria genética, do maneio no mato e da própria lide regular que mantém o animal num estado de apuro e vigília, que permanece nos seus genes e é transmitido à descendência. É por isso que o fim das touradas seria o fim do touro, mesmo que se conservassem alguns exemplares, para as fotos turísticas. É isso que o PAN na verdade propõe, o fim do touro bravo terceirense. Não me parece que os principais interessados, os animais, podendo, votassem pelo fim da sua própria existência. Adiante, que isto não pode ser apresentado como argumento, numa dinâmica de dialética inteligente.

Por outro lado, não me faltam argumentos. Deixando de lado a não existência, que é simplesmente estúpida e mata a discussão à nascença, ao toiro terceirense, restaria apenas a opção de servir para bifes, o que já acontece, aliás, nalguma medida, uma vez que a carne de toiro tem mercado. E se um toiro só tiver estas duas opções, o matadouro ou a corda, se o animal pudesse escolher, não tenho dúvidas sobre essa escolha. O bovino de carne tem uma vida curta e inglória, apenas um cruel simulacro do que poderia ser a sua vida de ruminante livre num mundo sem predadores. Mais tarde ou mais cedo é arrancado aos pastos verdes ou à prisão do estábulo para ser trucidado por métodos “humanos” nos matadouros. Quanto ao toiro terceirense, tem uma rica vida, a que eu queria para mim, se tivesse nascido com um par de chifres. Passa a maior parte da sua vida feliz e despreocupado no mato, no seu ambiente natural, não lhe falta erva tenra, ração quando é preciso e muita água fresca. Para outras necessidades, abundam as vacas lindas, pestanudas e submissas. Por outro lado, como os neoliberais adoram lembrar, “não há almoços grátis”. Em contrapartida da bela vida, aos toiros é exigido que, de maio a outubro, de dez em dez dias, na pior hipótese, corram pelos arraiais da ilha, sofrendo umas arrelias da populaça, uns puxões da corda e umas quedas no asfalto, contribuindo com a sua parte para a vida em sociedade. É isto um destino cruel? Não me parece…se revelarem qualidade, terão uma longa e protegida vida, uma vez que serão ativos valiosos para o ganadeiro. Se tiverem um comportamento medíocre, poderão realmente acabar no matadouro, mas ainda assim, terão tido uma vida mais longa e infinitamente melhor do que um bovino de carne. Estão, como todos nós, sujeitos à pressão da competitividade, o que até costuma ser encarado como um fator positivo. Há aqui o que Rousseau teria chamado de “contrato social”, com direitos e deveres.

Quanto ao PAN, prefere que os toiros não existam ou que passem a ser projetos de alcatra. Por isso, o que é que os do PAN merecem? Marradas, muitas marradas.

E agora, foguetes pró ar que hoje há tourada rija na Casa da Ribeira, com quatro puros e eu estarei lá com certeza, com a minha Maria, de calções e ténis, a correr na rua e a prestigiar esses belíssimos animais, que muito admiro e prezo. Viva o toiro bravo terceirense! POPEYE9700@YAHOO.COM

 

BAGA DEIXEM O ENTRUDO EM PAZ (BB97)

Fevereiro 11, 2020

Tarcísio Pacheco

53169356_10218346364034184_2038056050325716992_n.jpg

BAGAS DE BELADONA (97)

HELIODORO TARCÍSIO

 BAGA DEIXEM O ENTRUDO EM PAZ - Por estes dias, ficámos a saber que a tia Rosa já passou os 80 mas está fresca que nem uma alface; que quis ir comemorar o aniversário num cruzeiro e que se dispunha a deixar o marido em casa porque assim como assim “nunca quer ir para lado nenhum”; que levou a filha para lhe fazer alguma companhia, mas que a lambisgoia não fez outra coisa que não fosse atirar-se ao comandante, naquela velha paixão por fardas. Que a tia Valquíria fica agarrada ao feissebuque todo o santo dia, atenta a tudo o que é publicação e comentário na freguesia; que montou espera ao carteiro porque, entusiasmada,  mandou vir cerâmica erótica de Caldas da Rainha (e o carteiro que não havia maneira de chegar…); que, farta de trabalhar, deixa a lide de casa toda por conta da filha e que esta, talvez por desfastio, embora nunca faça transpirar o marido, é vista a sair diariamente com abundante transpiração da casa de um tal João, não constando que pratiquem Zumba por lá. Que as fardas da marinha são bem garbosas (neste bailinho é que a filha da tia Rosa se ia consolar); que um rapaz do meu tempo de Liceu que sempre conheci por Borges, tem um vozeirão bem afinado, destinado a gritar ordens num convés, mas que fica igualmente espetacular a cantar em cima de um palco. Que muitos velhinhos são abandonados pelas famílias nos lares de terceira idade e que nem todos são bem tratados por lá. Que uma senhora que tem, naturalmente, uma cara cómica, é capaz de fazer uma belíssima rábula da Beatriz Costa. Que a incrível escola de pandeiros de Santa Bárbara está bem viva e nos mostra um maravilhoso, saudável e cada vez mais raro convívio intergeracional. Que muitos idosos têm uma memória que causa inveja aos mais novos. Que velhos são os trapos; que enquanto por aqui se anda, com um mínimo de saúde, é fundamental celebrarmos a aventura da vida; que não há nada melhor para isso do que a música, a dança e o riso.

Tudo isto são apontamentos do Carnaval Sénior da ilha Terceira de 2020, a crescer a cada ano em qualidade e popularidade, cada vez mais uma introdução obrigatória ao nosso carnaval. Uma espécie de saborosa entrada antes do prato principal.

Classificar o nosso carnaval como Património Cultural Imaterial está muito bem. Não é mais do que reconhecer, com toda a justiça, a importância e relevo desta festa entre nós, vivida de um modo único.

Quanto ao resto, confesso que tenho medo. Há duas manobras que estragam facilmente as coisas boas da vida: excessiva regulamentação, quase sempre com o pretexto da “segurança” e economicismo, fazer passar tudo pela ótica do lucro. Devemos deixar o Carnaval terceirense fluir naturalmente, permitindo que as pessoas organizem as coisas como sempre fizeram. Há inovações naturais porque a vida é assim mesmo, um processo imparável de evolução. E nenhuma discussão pode ser proibida, é sempre salutar trocar ideias e auscultar diferentes opiniões e sensibilidades. Por outro lado, devemos estar atentos a situações que podem começar a matar o Carnaval terceirense, nomeadamente as transmissões pela Internet. Quanto a isso, não tenho muitas dúvidas. Os cenários naturais das nossas danças e bailinhos de Carnaval são os salões das sociedades recreativas espalhados pela ilha. Essas salas têm de estar cheias e animadas. Por isso, as transmissões em direto, salvo raras exceções, são perniciosas e devem evitar-se.

Além disso, gela-se-me o sangue quando vejo associar turismo e Carnaval ou começam a circular conceitos como “exploração turística” ou “rentabilização económica”. Se algum dia começarem a aparecer “pacotes” do Carnaval terceirense para turistas ou se montarem bailinhos em espaços grandes especificamente para turistas, será o princípio do fim.

Nunca vi o Carnaval terceirense como vendável turisticamente. As danças de Carnaval envolvem música e dança, expressões artísticas universais, mas passam sobretudo pela comédia satírica em português. Por isso, logo aqui, a limitação da língua é fundamental. Começamos a ter turistas todo o ano e isso é, provavelmente, um fenómeno imparável, à escala mundial, limitado apenas por questões de segurança e de clima. Mas o turismo desenfreado e sem limites já começa a trazer problemas graves, um pouco por todo o mundo. A solução não é proibir nem censurar, mas sim usar diferentes mecanismos para criar equilíbrios, sem inventar muito.

Sempre fomos hospitaleiros e devemos continuar a sê-lo, até porque, cada vez mais, todos somos turistas de vez em quando. Mas, no que respeita ao Carnaval, os turistas é que têm de se adaptar às nossas práticas, não é o nosso Carnaval que se deve tornar “turístico”. Por isso é que digo, deixem o Entrudo em paz, não inventem.popeye9700@yahoo.com

 

BAGA ATÉ QUANDO TERCEIRENSES? BB (90)

Dezembro 12, 2019

Tarcísio Pacheco

 

Terceira (1).jpgimagem em: https://www.publituris.pt/2019/01/08/programa-acores-recebe-bem-arranca-esta-quarta-feira/

BAGAS DE BELADONA (90)

 

HELIODORO TARCÍSIO

 

BAGA ATÉ QUANDO TERCEIRENSES??? – A recente notícia sobre um voo com turistas “de luxo” que viu recusada a permissão para uma escala técnica que incluía reabastecimento com os passageiros a bordo – algo comum na atualidade – no aeroporto das Lajes e acabou reencaminhado para o aeroporto de Santa Maria, vem de encontro ao que escrevi há pouco tempo sobre a desgraça da ilha Terceira e sobre a revolta e indignação que todos os terceirenses, menos os coniventes, deviam sentir e manifestar.

Não me quero transformar num desses oposicionistas militantes para quem tudo o que vem do governo em funções está sempre mal. Também não quero vestir o colete lilás do terceirense bairrista porque amo estas ilhas e quero o melhor para todas e para cada uma delas. Menos ainda me move o interesse específico pelo “turismo de luxo”, seja lá o que isso for, porque nunca alinhei no discurso aparvalhado, ignorante e saloio do “turismo que interessa”. Todos os turistas me interessam, desde que sejam ecológicos, educados, respeitadores bem-intencionados, em quantidade limitada e não excessiva.

 O que quero é, na verdade, muito simples. Quero que cada comunidade seja soberana no seu espaço e dona do seu destino. Vou ser brutalmente claro: como cidadão e como terceirense, não quero um aeroporto militar com uma janelinha para a atividade civil; quero exatamente o contrário, exijo, aliás, o que é direito meu exigir, exequível ou não, um aeroporto civil a sério nas Lajes, eventualmente com algumas facilidades para a Força Aérea Portuguesa. Já chega de brincar aos aeroportos civis. Isto não é um jogo da Lego. A grande razão para existir um exército num país é defender os seus cidadãos em caso de guerra ou agressão externa. Em tempo de paz, os militares devem ser quase invisíveis e não prejudicar o resto da sociedade de forma nenhuma. O facto do aeroporto das Lajes ter sido originalmente construído como pista militar tornou-se uma espécie de danação eterna, parece coisa bíblica. S. Miguel vibra com isso, claro e aproveita-se. Quanto à Força Aérea Norte-Americana, vou continuar a ser monstruosamente claro: não os quero cá, já nos fizeram mal suficiente; a única vantagem da sua presença nesta ilha, atualmente, consiste na manutenção de alguns postos de trabalho, em número cada vez menor. Poluíram a nossa ilha, envenenaram os nossos aquíferos, (e ainda a procissão vai no adro neste campo), transformam-nos num alvo militar, não nos trazem benefícios importantes e comportam-se como aqueles inquilinos selvagens que deixam de pagar a renda e se recusam a sair. Mantêm-se na ilha quase à força, aproveitando-se do seu estatuto autoritário no mundo, da sua riqueza material, do seu poderio militar, da chantagem com a nossa comunidade emigrante e da miserável subserviência do governo português, dando-se ao luxo de usar pobres e claríssimas manobras de bluff para manter um pé dentro e um pé fora. Por mim, saíam e era já, haveríamos de sobreviver, como sempre.

Quanto à razão invocada para recusar a escala técnica nas Lajes, o corpo de bombeiros do aeroporto pertencer aos americanos… seria brincadeira, se não fizesse parte de um plano para subjugar e secundarizar toda uma ilha, outrora orgulhosa. Mais uma vez, isto parece uma ilha dos EUA. E não há um quartel de bombeiros na Praia da Vitória? Não têm formação para atuar em aeroportos? E porque não a recebem? Nos aeroportos das outras ilhas não são bombeiros portugueses e locais a fazer o serviço de aeroporto? Na hora de invocar razões para manter a Terceira espartilhada e amordaçada, nunca faltam argumentos.

Aproveito para esclarecer que também não quero cá os Chineses, cujo regime político me enoja. Quero cá os Terceirenses e quaisquer outros, de qualquer cor ou origem, que sejam pacíficos, que venham por bem e que sejam democratas. O que não é o caso chinês. Falo do governo chinês e dos seus militares, obviamente. A proliferação de lojas chinesas, que ameaça tornar o centro de Angra numa Chinatown é uma questão comercial e cultural, que não é para aqui chamada, de momento (mas teria muito a dizer sobre o assunto).

Não devemos ter medo de chamar os bois pelos seus nomes. Há culpados, bastantes, para a triste e cada vez pior situação da ilha Terceira: o nosso cada vez mais insuficiente Estatuto Autonómico; o Governo da República porque é centralista e subserviente, independentemente das suas cores ou líderes; o Governo Regional porque é subserviente também, com Lisboa e com os EUA e porque tem promovido um desenvolvimento centrado na ilha de S. Miguel, de uma forma absolutamente descarada e quase grotesca; o governo dos EUA porque é maléfico, maquiavélico e só se preocupa com os seus interesses; a Força Aérea Portuguesa porque só  atende os interesses militares, tem demasiado poder nas Lajes e prejudica frequentemente a Terceira; políticos terceirenses, bem identificados que, por interesse pessoal e fidelidades partidárias, são coniventes e cúmplices na situação e, finalmente, o próprio povo terceirense que, alegria e festas à parte, é uma das comunidades mais apagadas, alheadas, inertes e acomodadas de que tenho conhecimento. Se não for uma doença na família ou uma pancada no carro, nada parece mexer com esta gente que nunca tem opinião sobre coisa nenhuma. Limitam-se a respirar, dia após dia. Para ser socialmente correto, como no conhecido caso da marquesa que bateu com o peitoral na mesa, indignem-se, chiça! popeye9700@yahoo.com

BAGA (A DO COSTUME)

Junho 04, 2019

Tarcísio Pacheco

vao à merda.jpg

imagem em: http://blogviniciusdesantana.com/abstencao-no-brasil/

BAGAS DE BELADONA (76)

 

HELIODORO TARCÍSIO   

 

BAGA (A DO COSTUME) -  Nas últimas eleições, para o parlamento europeu, foi pior do que nunca, em termos de abstenção. A reação dos políticos dos partidos foi a saída hipócrita do costume: ficam muito preocupados com a abstenção eleitoral, consideram urgente fazer alguma coisa, prometem tirar ilações e entregar-se a profundas reflexões e meditações sobre o assunto. Se eu juntasse as vezes em que os políticos dos partidos ficam muito preocupados com a abstenção e prometem meditar sobre o assunto e tirar ilações, já dava para abrir um grande mosteiro meditativo no Tibete e a raça da ilação estaria em risco de extinguir-se. Suma hipocrisia dos políticos, eles estão a borrifar-se para a abstenção, o sistema continua a permitir-lhes o acesso ao poder e é isso que eles querem, acima de tudo. Eleitos por 10% ou por 100%, é-lhes igual, são eleitos na mesma.

Vejo várias razões para o desinteresse dos cidadãos pelo seu futuro. Mas a verdade é que os partidos políticos, sobretudos os tradicionais, do “centrão” ou “arco do poder” (uma expressão bestialmente estúpida, muito querida de Cavaco Silva), não têm, há muito tempo, nada de novo para oferecer aos eleitores. Propõe mais do mesmo, um mundo em que, sob o engodo vago e fácil do “progresso” , do “desenvolvimento económico” e da “liberdade”, se manipula as pessoas de forma abjeta; cria-se um rebanho alienado e apático, viciado em novelas, concursos, carros, futebol, moda, shoppings, fast-food, e jogos de vídeo que, na sua maioria, sai para trabalhar todos os dias, para sustentar a riqueza dos donos do mundo, um punhado de vermes capitalistas, agora já não gordos porque frequentam o Holmes e têm saunas finlandesas em casa. Os ricos agora são magros. Outros partidos, mais pequenos, vão aparecendo com mensagens diferentes, mas não é, frequentemente, nada que preste.

Acredito que os Açorianos não foram votar por vários motivos: desinteresse e desilusão com o sistema político-partidário; sentimento de impotência para alterar alguma coisa, uma vez que o sistema só admite que se vote em partidos e está firmemente blindado contra qualquer alteração; desconfiança das instituições europeias; ignorância simples, alienação, apatia, falta de educação e de cultura; falta de noções de cidadania e de participação cívica. O caso dos simpáticos e festivos Terceirenses, dos quais faço alegremente parte, é especialmente paradigmático. Tudo parece passar-nos ao lado e está tudo bem desde que seja ao som de foguetes. Quatro exemplos interessantes: a) soubemos há algum tempo que Força Aérea dos EUA andou, desde os anos 50,  a envenenar o nosso ambiente de forma nojenta e totalmente amoral, com total desprezo pela ilha que os acolheu  e que há hipóteses disso ter relação com incidências anormais de cancro; b) dependemos totalmente dos aviões para sair daqui e para receber visitantes e foi preciso andar anos a rastejar,  a ver o aeroporto de Ponta Delgada a crescer para todos os lados menos o do mar, para que os políticos se dignassem a iniciar o processo de certificação civil das Lajes, processo sempre conduzido, até agora, devagar, com incompetência e com má vontade; c) o Governo da República prepara-se para fazer o que quiser do mar dos Açores, precioso para nós, ilhéus,  aqui isolados no meio do Atlântico Norte,  sem dar qualquer cavaco à Autonomia; d) assistimos há 20 anos ao estabelecimento de um projeto político regional centralizador, com epicentro na ilha de S. Miguel, em que o mantra do “desenvolvimento harmónico” não passa de uma paródia para enganar tansos. Pois bem, tirando os políticos oposicionistas, meia dúzia de opiniosos e o Diário Insular, os Terceirenses nunca pareceram especialmente incomodados com nada disto. Não que eu não goste de festas, atenção, sou muito festeiro. Mas iria apoiar, de certeza, qualquer projeto que propusesse mandar os EUA pastar para casa, tornar as Lajes um aeroporto CIVIL, sermos nós a mandar no nosso mar e mudar a Constituição Portuguesa e o nosso Estatuto Autonómico, de forma a que passássemos a ser uma federação de ilhas com uma forma de gestão completamente diferente e uma autonomia muito mais alargada.

Desempenhando o papel de advogado do Diabo, se eu estivesse do lado do sistema, pensaria seriamente em tornar o voto obrigatório, como já acontece em outros lugares. Isso significa ameaçar com represálias severas os abstencionistas, só funciona assim. Funcionaria com a maioria das pessoas. Até comigo funcionaria. Sendo eu um abstencionista muito antigo, absolutamente convicto e ideologicamente sustentado, que jamais voltará a votar num partido político, se ameaçado, votaria. Nulo, mas votaria. POPEYE9700@YAHOO.COM

 

BAGA TAUROMÁQUICA 3

Dezembro 11, 2018

Tarcísio Pacheco

2004-Tourada6.jpg

imagem em: http://philangra.blogspot.com/2016/01/touradas-corda-na-terceira.html

 

BAGAS DE BELADONA (62)

 

HELIODORO TARCÍSIO

                  

BAGA TAUROMÁQUICA 3 – Para fechar com chave de ouro esta trilogia de bagas tauromáquicas, só podia ser mesmo com a tourada à corda terceirense. Está no nosso ADN e é um dos cromossomas mais relevantes da nossa identidade enquanto povo e comunidade. Isto, só por si, não quer dizer grande coisa sobre a sua bondade. Iríamos cair de novo naquele problema da “tradição”, um conceito muito maleável, com tendência para atribuir rótulos vitalícios e inatacáveis. Em texto anterior, vaticinei o fim da tourada de praça, num futuro mais ou menos longínquo. Quanto à tourada de corda, a minha previsão é bastante mais otimista. E a razão fundamental para isso é o equilíbrio intrinsecamente benevolente desta fortíssima tradição popular. Para já, não gera os anticorpos da tourada de praça, muito menos a nível local. São, por enquanto, bastante raras as vozes críticas. São mais comuns as opiniões indiferentes, daquele tipo de pessoa a quem tudo passa ao lado, aqueles a quem nas Sanjoaninas se pergunta “Home, foste à festa?” e eles respondem com ar enfastiado “Home, cá nada, fui uma pisca no dia das marchas porque a mulher e as pequenas queriam ir por força, foi um penar pra estacionar” …Dizem algo de semelhante relativamente às touradas à corda. Usam os dedos de uma mão e os neurónios disponíveis para contar aquelas a que vão e gabam-se de fazer sempre as mesmas coisas, da mesma maneira, como se isso fosse alguma qualidade. Depois há os intelectuais, que são superiores a estas coisas e a gente fina que não se “rebaixa” a comparecer nas diversões do povo, excetuando a tourada de S. Carlos. Mas, em geral, a maioria dos terceirenses gosta, de todas as idades e faixas sociais. Não é algo que seja “mais para os velhos”, estão lá todos. O futuro parece garantido. É sobretudo FESTA, um conceito caro para a maioria dos terceirenses, um dos povos mais felizes do mundo, apesar dos Americanos e do governo de S. Miguel. Quem não conhece alguém aqui na ilha que está sempre a dizer “eu cá quero-me é rir” … Tourada à corda tem tudo o que é bom lá dentro, a beleza e o poder do touro, a amizade, o convívio, a animação, os comes e bebes, a emoção, o riso e a coragem. Também tem perigo e adrenalina, faz parte e dá o contraponto, diferencia-a de outras festas, concede-lhe os seus atributos únicos. Afinal, estar vivo é bastante perigoso, está provado que os vivos morrem com frequência. E é bom para a economia da ilha e toda a gente sabe que uma coisa que dá dinheiro (sem ser ilegal) é boa e está na moda. Por isso mesmo é que o Governo, cheirando-lhe a dinheiro já andava a abusar nas taxas e impostos.

Acima de tudo, a tourada à corda é boa (e quero terminar assim) porque é um excelente negócio para um touro. Se, para castigo dos meus inúmeros pecados, tivesse de renascer bovino, ia pedir para, ao menos, ser um touro de corda na Terceira. São os touros mais felizes do mundo. Há muitos anos, o meu filho Rodrigo, agora com quase 27 anos, tendo-lhe sido perguntado qual dos 3 Porquinhos queria ser (o da casa de palha, de madeira ou de pedra) com óbvias e pedagógicas intenções, o miúdo respondeu “Eu não quero ser porco!”. Por isso, se algum leitor pensar “eu não quero ser touro” eu entendo e não levo a mal. No fundo, eu também preferia ser uma preguiça ou uma arara. Mesmo assim, aqui fica o repto, se tivessem de ser bovinos (porque sim, paciência), o que preferiam? A: ser um bovino de carne, separado imediatamente da mãe, condenado à prisão desde a nascença, alimentado a ração no cubículo de um viteleiro, sem nunca ver o sol e abatido “humanamente”  como novilho entre os 9 e os 14 meses; B: um touro continental, destinado à corrida de praça, criado em relativa liberdade nas lezírias ribatejanas, levado à arena ao cabo de 4 ou 5 anos e dali conduzido ao matadouro depois de um sessão de tortura sangrenta que é o clímax da sua vida; C: um toiro terceirense de corda, criado em liberdade no mato, com muita erva e água fresca, rei e senhor de um harém de belas vacas de desfrute, que trabalha de Maio a meados de Outubro, um dia a cada 10, no máximo, se estiver de saúde e se sentir bem (porque tem “médico de família”) e que morre no seu tempo,  de morte natural, se não tiver acidentes, como qualquer humano?

Eu não teria dúvidas em escolher e você, leitor?POPEYE9700@YAHOO.COM

 

 

BAGAS DE BELADONA (42)

Janeiro 18, 2018

Tarcísio Pacheco

toiro 2.jpeg

 imagem em: https://www.playgroundmag.net/food/Vuelve-estrenarse-pelicula-antitaurina-Disney_0_1949805013.html

 

BAGAS DE BELADONA (42)

 

 

HELIODORO TARCÍSIO

 

BAGA EXTREMA – Sempre me incomodaram conceitos como “bloco central” e “arco de governação”. Bloco central, por pretender incluir toda a gente numa massa amorfa e cinzenta, sem alma, onde estão todos de acordo, onde o que conta é o que é “melhor para o país”, seja lá o que isso for e onde não há discordância nem diversidade; a imagem de um pântano estagnado onde proliferam mosquitos oportunistas; um buraco negro que suga toda a luz e toda a energia. Arco de governação, por pretender excluir a diferença, a originalidade e, frequentemente, o talento e a inteligência; invenção de nativos do Cavaquistão para afastarem quem desequilibra os seus estreitos universos mentais. Posto isto, adorava que certos políticos, sempre os mesmos, deixassem de se referir à esquerda política portuguesa como extrema-esquerda. Não me incomodaria tanto se referissem o CDS-PP como “extrema-direita”, o que nunca acontece. O PC e o BE são partidos democráticos de esquerda. O CDS-PP é um partido democrático de direita. É difícil falar de partidos extremistas em democracia, pela simples razão de que aqueles são, em geral e por natureza, antidemocráticos. Um exemplo de partido extremista, travestido de democrata, por não ter outro remédio, é a Frente Nacional, da Le Pen. Não temos nada disso em Portugal. O mais radical é que temos é coisas como certas claques do FCP. Tinha ideia de que Rui Rio é bem mais inteligente do que Passos Coelho, embora isso não seja nada difícil. Mas o homem, além de vir com lirismos do tipo “ganhar eleições com maioria absoluta”, já veio também com o discurso estafado da “extrema-esquerda” e do “arco de governação”… Nisso, pouco diferia de Santana Lopes. Aliás, no que é que diferia mesmo? Ah, já sei, não tem um passado de dandy vagamente simpático, geralmente inofensivo e bastante cómico quando tenta fazer de estadista sério e profundo.

 

BAGA UEI TOIRO – Na aviação, é de fulcral importância fazer a check-list (que é o universalismo para lista de verificação) antes da decolagem. A propósito da notícia recente sobre a histeria agressiva do Movimento pela Abolição da Tauromaquia de Portugal relativamente à tourada à corda terceirense e à proposta para a sua inclusão na lista do Património Cultural Imaterial, lembrei-me de fazer uma check-list para a tourada à corda: toiros: check; ganaderos: check; pastores: check; afición: check; capinhas: check; veterinário: check; PSP (gratificada): check; papelada, há-de aparecer: check; pastagens verdinhas: check; água: check; festas de Verão: check; mordomos: check; gaiolas: check; cordas: check; foguetes: check; tascas: check; bifanas e cerveja: check; fita chinesa para os riscos: check; gajas giras nos muros: check; turistas, depende da Ryanair, da Delta e, infelizmente da SATA mas ok, check; sol, hummm, ok, quem sabe, vamos arriscar: check. E pronto, está feita a check-list da nossa tourada à corda. Está tudo, pelo menos o que é importante. O que não está nem é importante é a integração na lista do Património Cultural Imaterial e ainda menos a  opinião dos abolicionistas. A tourada à corda é nossa e havemos de a fazer enquanto a maioria de nós quiser. É Património Cultural Imaterial, classificado ou não. Porque no dia em que deixarmos de mandar nas nossas tradições, no dia em que gente como Santos Silva, o Trampa e abolicionistas radicais é que mandarem nisto, então é melhor irmos todos embora e o último a sair fecha a porta da Câmara Municipal e deixa a chave debaixo do tapete da entrada (à direita do palco, quem está de frente). POPEYE9700@YAHOO.COM

 

 

QUESTÃO TAURINA - UM TIRO NO PÉ: OLÉ!

Agosto 30, 2012

Tarcísio Pacheco

 

 imagem: http://www.grupoclarin.com.ar/novedades/ole-es-segundo-site-informativo-del-pais

 

 

Não costumo escrever sobre toiros e touradas. Fi-lo uma única vez, há muitos anos, em resposta a um artigo pateta, publicado no Açoriano Oriental, escrito pela responsável da antiga “Página Feminina” daquele jornal, uma tal D. Irene Ataíde. Esse artigo, entalado entre receitas de culinária e textos sobre a sagrada missão da mãe, numa página feminina já anacrónica nos anos 80, era dedicado às touradas de praça;  o tom geral era o da “nobre luta entre o homem e o animal” e estava cheio de lugares comuns, ideias feitas, falácias e inexactidões. Creio tê-lo desmontado bem.

A razão para não escrever sobre este tema é bem simples. Sei que apanharia dos dois lados. Tenho ideias firmes e fundamentadas relativamente aos temas sobre os quais reflito e orgulho-me disso. Reconheço no entanto, humildemente, que não é o caso das touradas. Sou dúbio, incoerente, incerto e tendencioso neste domínio. Nasciem S. Jorge, na Fajã dos Vimes mas sempre vivi na Terceira. Desde que me lembro, sempre assisti a touradas, à corda e de praça, no velho recinto da Praça de S. João. E gosto, da tradição, do bulício, da animação, das vestimentas, da música, dos touros e dos cavalos, enfim, daquele ambiente todo, com que nunca tive contato direto (sou do mar…) mas que está nas minhas raízes. Ainda hoje em dia, com a idade que tenho e que não vou revelar, sou visto frequentemente nas touradas à corda, sempre de calções e sapatilhas, a correr atrás do toiro, a fugir dele ou empoleirado precariamente num poste da luz (v. minha página do Facebook sff, recente tourada na Feteira).

Por outro lado (somos seres pluridimensionais) , tenho o saudável hábito de pensar. E gosto da Natureza em geral, sou muito ecológico (já era antes de estar na moda) e amicíssimo dos animais. O que eu ajudei na minha vida, de cães abandonados, gatos atropelados e avezinhas feridas na asa, para desespero da minha mãe, que gosta muito de animais… no prato. Polvos, por exemplo, acha-os inteligentes e interessantíssimos, sobretudo quando bem tenrinhos.

Isto vem tudo a propósito de um artigo que li em “A União” de 24 de Agosto, “Como os Aficionados Contribuem para a Luta Antitourada”, da autoria de Francisca M. Ávila (FMA). Não vou comentar a totalidades deste artigo. Dada a minha confessada duplicidade neste assunto, até é natural que concordemos nalguns pontos. Como concordo com os taurinos ás vezes, nisto sou um vendido, um duplo espião, a versão máscula de uma Mata-Hari. Mas, concordâncias à parte, há dois ou três disparates neste artigo, que me fazem comichão na inteligência. A certa altura FMA refere “(…) as personalidades tendencialmente agressivas de quem assiste a touradas”. E ainda diz a respeito disto o seguinte “(e eu nunca precisei de confirmação)”. A afirmação de FMA é, obviamente, uma generalização sem sentido, uma especulação torta e uma forma de expressar um preconceito claríssimo. Que ainda por cima se dá ao luxo de prescindir de confirmações. Quem é a favor das touradas é agressivo, quem é contra é pacífico. Isto é pintar o mundo a preto e branco, o que nunca é inteligente. Eu sei que FMA não disse isto. Mas é uma inferência lógica do seu discurso. E é uma afirmação que, além de ser vagamente imbecil, não se apoia em qualquer estudo científico sobre o assunto, que, simplesmente, não existe. Fica aqui o desafio, façam-no, promovam-no. Não é assim tão difícil, mesmo que os resultados possam, muito provavelmente, ser questionados por ambas as partes em conflito. É que, no que diz respeito à mente humana e aos fenómenos sociais, os resultados também raramente são a preto e branco. E já agora, se aquela gente que estava a protestar contra a tourada em Viana do Castelo é pacífica (cerca de 300 pessoas, ena pá, tantos anti-taurinos contra os 2.500 taurinos que estavam na praça), só digo que não me quero cruzar com nenhum deles numa noite escura…

Continuando, mais à frente, FMA, diz que viuem Ponta Delgadauns “(…) turistas, provavelmente nórdicos” a olhar para as imagens de um DVD sobre touradas à corda na Terceira, e que “(…) o seu olhar era claro como água: o repúdio total.” Cá para mim, esses turistas tinham andado nos copos e deviam ter os olhos meios turvos, daí a confusão de FMA. É que eu já ando por aqui há muitos anos. Vejo com muita frequência turistas de todos os lados do mundo a olhar para os nossos DVD’s das touradas e vejo um pouco de tudo, desde gargalhadas, susto, compaixão pelos colhidos, admiração pela coragem dos capinhas, interesse cultural, mera curiosidade etc. Confesso que ainda não vi “repúdio total”. Mas pode ter acontecido nalgum dia que eu estivesse distraído ou tenha começado a chover. Será que a FMA tem alguma foto dos olhos dessa gente, provavelmente nórdica?  Outro lugar comum, se é louro e branco é nórdico e pacífico com certeza. Pois, lembrei-me agora do norueguês ANDERS BREIVIK, sei lá porquê, aposto que ele é contra as touradas. Ou talvez não, parece um ótimo lugar para bombas e massacres. Se é o caso de ter fotos, envie-me para o mail por favor. Quero ver, imprimir e depois andar por aí de foto na mão a comparar olhares, a observar gente com ar nórdico. Ainda levo uma verdascada com um daqueles paus ferrados finos (são os nórdicos que usam essas coisas, não é?). E o que se vê de gente com ar nórdico, nas touradas à corda, muito divertidos, de máquina fotográfica em punho… FMA, a menina não sabe porque não vai lá, por isso não diga que não com a cabecinha…Ah, claro, deve ser para documentar futuros protestos no Parlamento Europeu…

Um poucochinho mais à frente, FMA ainda refere umas “senhoras de certa idade”, láem Ponta Delgada, que, em micaelense no original, criticavam as touradas à corda da Terceira, dizendo aquela gente devia pôr-se a ler um livro em vez de atormentar os bichos. Ó FMA, mas que aliadas a menina se lembrou de ir buscar…Logo velhinhas de S. Miguel. O Carlos César nem sequer lê documentos fundamentais do Governo (diz o Jaquim Machado, eu cá não sou home d’ enredos)….Vivi seis anosem Ponta Delgada.Tenhoa certeza que uma grande parte da massa micaelense lê a lista telefónica e rótulos de shampoo. E isto com dificuldade.  Por isso, dificilmente podem dar conselhos culturais.

FMA, para terminar, vou dar-lhe três coisas, inteiramente de graça e bem pacíficas. Duas são conselhos: não coloque no mesmo saco touradas de praça e as touradas à corda da nossa ilha, não têm nada a ver; e pense um pouco mais antes de escrever, embora eu até aprecie o seu entusiasmo e militância. A terceira, é a revelação, em primeira mão, do que realmente penso sobre as touradas. Use como entender.

Gosto das touradas à corda terceirenses, que são muito mais perigosas para as pessoas do que para os animais e que são, em minha modesta opinião, a única garantia da sobrevivência, genética e de facto, do touro de lide terceirense. Acho que dificilmente acabarão algum dia porque continuam a suscitar o interesse de todas as gerações, incluindo as mais jovens e fazem parte do nosso património mais profundo.

Não gosto de espanholices. Gosto das touradas de praça à portuguesa, assisto a algumas, sem ser muito assíduo. Acho que os forcados têm testículos de aço, que eu gostaria de ter. Mas sou crítico em relação a alguns dos pressupostos de base. E raramente li, da parte dos chamados “taurinos”, qualquer defesa inteligente. Já li até defesas boçais, assentes em pretensos critérios científicos. Aqui na Terceira, só conheço uma pessoa, da minha geração, que escreve bem e com inteligência pelo lado dos “taurinos”. Mas defende o indefensável. Em última análise, se o mundo não acabar já em 21 de Dezembro, acredito que as touradas de praça acabarão um dia, tal como acabaram as lutas de gladiadores e algumas lutas entre animais (outras ainda se praticam…). Terão tendência para acabar, à medida que for crescendo a consciência coletiva da Humanidade e nos formos transformando noutra espécie, melhor, se tivermos tempo para isso. Mas não é para o nosso tempo, FMA… Por isso e, entretanto “Uei pá, vamos pós toiros?”.  POPEYE9700@YAHOO.COM

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2002
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2001
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2000
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 1999
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Fazer olhinhos

Em destaque no SAPO Blogs
pub