Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

BAGA DEIXEM-SE DE TRETAS (BB124)

Outubro 07, 2021

Tarcísio Pacheco

ferry.jpg

 

imagem em: Cena Dos Desenhos Animados Com Balsa Feliz Ilustração Para Crianças — Fotografias de Stock © illustrator_hft #175248126 (depositphotos.com)

 

  • BAGAS DE BELADONA (124)
    HELIODORO TARCÍSIO
    BAGA DEIXEM-SE DE TRETAS - Há uma velha anedota sobre um tipo
    que quer ir para a Marinha e, quando vai à primeira entrevista, perguntam-
    lhe se sabe nadar…e ele responde “Hã?! Então, vocês não têm lá
    barcos??”.
    As posições do Governo Regional dos Açores (GRA) sobre o transporte
    marítimo de passageiros nas nossas ilhas fazem-me lembrar essa piada. É
    bem capaz que, aí para fora, alguém comente com um dos nossos
    governantes, (traduzindo livremente de estrangeiro): “Ah, então, o senhor é
    governante nos Açores, sim senhor, lá no meio do mar, ouço dizer que é
    muito bonito, então os senhores têm lá muitos barcos, não é verdade, já se
    sabe, são ilhas...”; ao que o nosso governante deverá responder algo como
    “Nem por isso, não precisamos, temos alguns aviõezinhos…”.
    O que é mais interessante é que até há algum consenso entre o executivo
    regional anterior e o atual, nesta matéria. O governo PS também não sabia
    o que havia de fazer com os navios de passageiros. Uma manobra
    descarada, mas comum a todos os políticos é, quando não querem fazer
    algo ou não sabem o que fazer, encomendam estudos e nomeiam comissões
    para estudar o problema. Entretanto, o tempo vai passando e olhando
    distraidamente até parece que algo está a ser feito. Mas não está, nunca
    está. Depois, ainda me criticam por, em geral, não apreciar políticos.
    No momento, o atual governo promete decisões sobre esta questão para
    daqui a dois anos. Entretanto e comme d’habitude, vamos andando com a
    SATA ao colo e o GRA vai encomendar estudos a profissionais de estudos,
  • que nós conhecemos na gíria popular como “empatas” improdutivos. No
    passado recente, o governo PS também andou aos tombos com os navios.
    Devia ser gente que enjoava com o balanço. Foi a bizarra história do ferry
    “Atlântida”, que ia ser o “nosso ferry” e que depois encalhou porque lhe
    faltava 1 nó na velocidade de cruzeiro - versão oficial - (creio que navega
    agora pela Noruega, onde não são tão esquisitos…). Depois foi a onerosa
    solução de fretar dois ferries estrangeiros todos os Verões. Uma solução
    que, diga-se a verdade, foi sempre assumida como de recurso e temporária.
    E, entretanto, ia-se brincando ao jogo da encomenda de anteprojetos e
    concursos, com vista à construção de um ferry açoriano. Nisto e noutras
    coisas se entretiveram os socialistas até a oposição vender a alma ao Diabo
    e agarrar o poder com unhas cobiçosas e dentes sôfregos. Chega de estar na
    oposição, pensaram eles em surdina.
    E agora, entrou uma gente cuja grande diferença dos socialistas é na cor
    das gravatas e que tem este discurso paranoico sobre os navios: os Açores
    não precisam de barcos porque têm aviões e uma nova tarifa porreira e as
    ligações marítimas de passageiros entre todas as ilhas eram um circo de
    Verão. Em caso de dúvida, sacam da calculadora e pregam um sermão
    sobre taxas de ocupação.
    Entretanto, as famosas rampas ro-ro, que custam os olhos da cara, que tanto
    nos fartámos de reivindicar e que em Angra (como sempre, tarde, a más
    horas ou nunca) só deveremos ter em 2022, na melhor das hipóteses,
    quedam-se como excelentes pontos de apoio à pesca lúdica, entre setembro
    e maio.
    Também dizem, o GRA e os seus cúmplices neste crime, que ter um ferry
    açoriano permanente implica custos incomportáveis. E comparam o
    incomparável custo por cabeça, uma vez que não há qualquer semelhança
    entre os dois tipos de transporte, marítimo e aéreo. Isto é o cúmulo da
    hipocrisia. Então, e ter uma companhia aérea regional, de bandeira, sai de
    graça? É verdade que, por agora, estamos a pagar uma tarifa interilhas
    especial e reduzida, mas quanto é que pagamos todos os meses, cada um de
    nós (os que trabalham), para sustentar uma companhia aérea que não dá
    lucro, que cria prejuízo todos os dias e que acumula um passivo, esse sim,
  • verdadeiramente incomportável, que é gerido sempre da mesma forma,
    com injeções de capital da banca (que não faz caridade)? Então, não sejam
    hipócritas, trata-se, acima de tudo, de decisões políticas, com valor relativo.
    Não façam de conta que não há alternativas. Poupem-nos aos mantras
    vazios e imbecis. Já parece o discurso de outro, do Coelho de má memória,
    “vivemos acima das nossas possibilidades” etc, etc, repetido até à náusea.
    Há alternativas e até já as apontei nestas páginas. Devemos aprender com
    os que são mais espertos do que nós, com humildade. Com a Islândia,
    poderíamos ter aprendido como é que se lida com banqueiros corruptos e
    criminosos. Infelizmente, nunca o fizemos. E com as Faroé, podemos
    aprender como é que se transporta carga marítima, de todos os tipos e
    passageiros, ao mesmo tempo, por qualquer mar ou oceano, usando rampas
    ro-ro, em qualquer época do ano, cancelando viagens, naturalmente,
    quando as condições meteorológicas são demasiado adversas.
    Eu cá não sei de nada, não tenho acessos a fontes privilegiadas. Mas
    acredito que por detrás destas decisões, aparentemente néscias e pacóvias,
    esteja mais do mesmo de sempre: promover e salvar a SATA, a qualquer
    custo e agora também, atender as queixas das empresas de rent-a-car,
    algumas delas pertencentes a grupos poderosos, que praticam preços
    escandalosos e que muitas vezes, no pino do Verão, nem sequer têm oferta
    suficiente.
    O mote do GRA parece ser agora “vocês hão de andar é de SATA, queiram
    ou não; se não querem, vão a nado ou comprem um barco”. Agora é que
    podemos dizer com propriedade “pegou-lhe a SATA” porque não há mais
    nada para lhe pegar…ainda bem que tenho o meu próprio navio. Mas só
    consigo levar as bicicletas. POPEYE9700@YAHOO.COM

BAGA FICÁMOS A VER NAVIOS (BB108)

Maio 13, 2020

Tarcísio Pacheco

ferry.jpg

imagem em: https://www.clipart.email/clipart/clipart-ferry-boat-cartoon-336991.html

BAGAS DE BELADONA (108)

HELIODORO TARCÍSIO

BAGA FICÁMOS A VER NAVIOS - Não duvido que a decisão do Governo Regional de cancelar a habitual operação de fretamento dos ferryboats que no Verão ligariam as nossas ilhas foi acertada, no contexto atual. Com os entraves colocados ao turismo externo e à nossa própria circulação entre as ilhas, com o magro e triste Verão que se prevê, não se perceberia que fosse de outro modo. Contudo, o mesmo já não posso dizer de outra decisão, divulgada na mesma altura, a de cancelar o último concurso internacional para construção de um navio de passageiros ou misto destinado a servir os Açores. Este projeto foi sempre uma novela mexicana e com muitos críticos internos, desde o início, desde a história rocambolesca e mal contada do ferry Atlântida, combinada com a novela venezuelana dos estaleiros de Viana do Castelo. Agora, parece-me que o Governo aproveitou a oportunidade para se livrar de um projeto controverso e dispendioso, que não lhe estava a calhar nada bem. E assim, com a desculpa do vírus e da crise económica que, inevitavelmente virá depois, não teremos ferry açoriano por muitos anos. Mas como a vida continua e a epidemia há de passar e enquanto não vier a próxima, voltaremos a viver a sério, provavelmente já em 2021, com Verão, sol, mar, turistas, festas, música, touradas e muita vontade de viajar nem que seja só ali ao lado a S. Jorge para comer umas lapas com o sotaque deles. E, sem ferry, mas cheios de vontade, nem tanto de dinheiro, vamos clamar por barcos que nos levem comodamente e aos nossos belos popós. Porque entre um barco e um avião haverá sempre enormes diferenças. Nem que seja porque, se a maioria das pessoas sabe nadar, nunca conheci ninguém capaz de voar, se excetuarmos o Super Homem, que era emigrante ou, melhor dizendo, refugiado.. Assim, para satisfazer o povo, lá terá o Governo de continuar a fretar ferries com elevados custos. Que seriam muito mais elevados, clamam os críticos internos, se tivéssemos o tal ferry açoriano, devido à manutenção e aos custos fixos. Tenho grande dificuldade em entender esses críticos. Que não querem ferries fretados, mas também não querem um ferry açoriano. Que querem eles afinal? Ah, dizem eles, que não podemos pagar, que somos pequeninos, que temos pouca gente, etc, etc. Mas a SATA e os seus desvarios, prejuízos e dívidas parece que já podemos pagar. Não podemos comprar barcos, mas podemos comprar aviões. E se as desculpas passam pela nossa localização geográfica, pelo isolamento, pela dimensão das ilhas, pela reduzida população, pela incerteza do clima, pela fúria do mar, lugares como as ilhas Faroé desmentem isso tudo. Eles têm ferry, todo o ano.

No ano passado estive nas ilhas Faroé. Que têm apenas 50.000 habitantes e problemas semelhantes aos nossos, mas bem piores. As ilhas deles são menos habitáveis, mais montanhosas, mais inóspitas, mais frias e ficam cheias de neve no Inverno. Os estudos dizem-nos que a situação deles tem melhorado nos últimos anos (nos anos 50, havia muita falta de mulheres, por exemplo e por isso mesmo, uma baixa taxa de natalidade). Atualmente, os Faroeses vivem sobretudo de atividades do setor primário, com destaque para a pesca e a pecuária (ovelhas por todo o lado), do comércio e serviços e de… claro, turismo, muito. Evidentemente, as ilhas têm um aeroporto internacional, com voos diários. Têm pequenos ferries entre as diversas ilhas (18, apenas uma desabitada). Mas têm ligações regulares por via marítima com a Dinamarca e a Islândia, com um moderno ferry, o NORRÖNA, construído em 2003 na Alemanha, por 100 milhões de euros. E sim, o governo das Faroé ajudou bastante a empresa nessa altura, era do interesse público, como clama o Governo Regional quando ajuda a SATA todos os dias e desde sempre. O Norröna tem bandeira Faroesa e o porto de registo é Tórshavn, a capital das ilhas; é grande, seguro, bonito, tem 3 restaurantes e naveguei nele no percurso Dinamarca/Faroé, Islândia, ida e volta. O Norröna navega todo o ano, com neve, frio e tempestades, embora, por vezes, a empresa, a Smyril Line, seja forçada a cancelar viagens no Inverno. Adorei o Norröna. E quando chega a um porto, os passageiros aguardam um bom bocado enquanto o navio descarrega rapidamente todo o tipo de carga em contentores que são operados por rápidos camiõezinhos que se atrelam em 3 minutos. Portanto, é possível operar com navios mistos, de carga e passageiros e operar todo o ano. Espanha tem carreiras regulares de ferry entre as Canárias e Cádis, por exemplo. É uma questão de “modelo” de transportes, como agora está na moda dizer-se. E sobre o nosso “modelo” eu teria muito a dizer, se tivesse espaço para isso. É uma porcaria de modelo, que serve sobretudo os interesses de grupos empresariais e da ilha de S. Miguel.

E é assim um pouco por todos os arquipélagos e países com largas extensões de costa deste planeta. As pessoas usam barcos, há milhares de anos e continuam a usar. Há quem pense que somos modernos porque temos aviõezinhos em S. Miguel e aeroportos em todas as ilhas. Mas, na verdade, recuámos 200 anos no tempo. Porque, há 200 anos, havia navios à vela a ligar todas as ilhas, com carga e passageiros. Os aviões jamais poderão competir com os ferries, exceto no que diz respeito à velocidade. Agora, eu gostava de entender porque é que as nossas 9 ilhotas no meio do Atlântico Norte não precisam de ter ferryboat próprio. Ou, se precisam, porque é que andamos há anos a alugá-los a outros. Ou por que cargas de água é que temos de ser condenados a viajar apenas em aviõezinhos e nos da SATA, ainda por cima? É maldição? Imposição da CE?  Sina, má sorte? “Tem de ser”? “Não há alternativa”? Alguém que me explique. Obrigado. popeye9700@yahoo.com

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2002
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2001
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2000
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 1999
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Fazer olhinhos

Em destaque no SAPO Blogs
pub