Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

BAGA VIRADA PARA DENTRO (BB118)

Fevereiro 10, 2021

Tarcísio Pacheco

espiritismo.png

 

 

imagem em: https://estudosespiritas-milsoliva.blogspot.com/2013/12/triskele-e-um-antigo-simbolo-druida-que.html

 

BAGAS DE BELADONA (118)

  • BAGA VIRADA PARA DENTRO – No contexto da vida física e
    material que todos nós, os que estamos vivos no presente neste planeta,
    temos de gerir, quantas vezes absurda, dolorosa e caótica, é frequentemente
    muito difícil ligarmo-nos à nossa consciência superior. O mais das vezes
    estamos demasiado ocupados a tentar, simplesmente, sobreviver e
    permanecer saudáveis. Por isso e porque, sem me ter jamais ligado a
    qualquer religião, sempre senti uma forte curiosidade intelectual pela
    metafísica e pelos mistérios da vida, além das muitas leituras, de vez em
    quando gosto de participar em momentos de reflexão, colocando-me em
    sintonia com grupos de pessoas que sentem as mesmas necessidades e
    inquietações. Foi num contexto desses que recentemente assisti a uma
    palestra num centro espírita da nossa cidade, coisa que não faço com
    frequência, mas já havia feito antes, por diversas vezes. Trata-se de uma
    oportunidade de reflexão, de estímulo e de aprendizagem, para quem tem o
    espírito aberto ou sente que precisa de ajuda.
    Independentemente de quem as profere, estas palestras são sempre
    interessantes porque, embora assentando num discurso perfeitamente
    codificado (a doutrina espírita de Alan Kardec), veiculam perspetivas e
    experiências pessoais, que são únicas.
    A palestra em apreço não foi exceção e foi de encontro a duas reflexões
    pessoais, que considero interessantes e que quero partilhar aqui.
    1.ª Todas as pessoas que não se limitam a viver uma vida unicamente
    material e são capazes de refletir, certamente, acham-se, de vez em quando,
    em situações de desânimo, perante o aparente caos da vida no planeta e
    todas as inúmeras situações que nos causam sofrimento e incerteza. As
    doenças, os acidentes, as catástrofes naturais, a degradação da Natureza, os
    governantes incompetentes e corruptos, o egoísmo generalizado, o crime
    organizado, a violência, as guerras e massacres, o ódio, as paixões vis e a
    futilidade de tanta gente. É fácil pensar que isto é sempre igual, que a
    Humanidade não muda, que somos uma raça ruim, que não conseguimos
    evoluir, que estamos condenados. Acontece que isto não é verdade, embora
    possa parecê-lo, aparentemente. Se conseguirmos distanciarmo-nos um
    pouco e termos uma perspetiva mais geral, a partir de um plano superior,
    avaliando o percurso da Humanidade e o devir histórico em todos os seus
    detalhes, facilmente nos apercebemos de que, na realidade, existe uma
    claríssima evolução. É verdade que a Humanidade é ainda muito
    imperfeita, mas já evoluímos bastante, não apenas nos capítulos da ciência
    e da tecnologia, mas, acima de tudo, no plano da moral e da ética, nos
    direitos humanos e animais, na condenação da violência, na valorização da
    paz, no reconhecimento do diálogo como processo essencial, na tolerância
    e no respeito pela diversidade e pela diferença. É um processo sempre em
    curso.
    2.ª Vivemos um período difícil, de autêntico ambiente de guerra que,
    decerto, não estava nos nossos horizontes. Sentimos medo e também
    desgosto e revolta porque o nosso tempo está a ser-nos roubado. Claro que
    falo da epidemia do Covid-19. Começa a ser cansativo ver como a situação
    evolui tão lentamente e sentir que a melhor parte de nós, da nossa vida em
    sociedade, o convívio, a partilha, a amizade, a alegria, a festa, nos está a ser
    roubada, pelo segundo ano consecutivo. Assim como a maravilhosa
    possibilidade de viajar e conhecer o mundo. No entanto, este é o nosso
    tempo, o que nos coube em sorte, há que preservar e não perder a
    esperança. Não há bem que sempre dure nem mal que não se acabe. Há
    sempre lados positivos a encarar. Em períodos de crise, vêm ao de cima o
    melhor e o pior de Humanidade, é sempre assim. Figurões políticos
    duvidosos tentam capitalizar o descontentamento para recrutar prosélitos.
    Capitalistas sem escrúpulos estão a enriquecer mais que nunca à conta do
  • vírus. Criaturas menores e mesquinhas montam esquemas mais ou menos
    ardilosos para se beneficiarem a si e aos seus. Tudo isto é triste e
    lamentável. Mas a crise também traz reflexos positivos. Bufões recentes da
    cena internacional, como Trump e Bolsonaro, pseudolíderes sem qualquer
    préstimo, já caíram ou têm a sua imagem muito abalada, em grande parte
    pela péssima atuação que tiveram na presente crise. Isso é mais que bom, é
    ótimo. Por outro lado, entre as pessoas de carácter, generosas, solidárias e
    de bom coração, os melhores entre nós, abundam as atitudes de sacrifício,
    de apoio, de ajuda desinteressada ao próximo. E, como muito bem frisou o
    palestrante, até as malditas máscaras têm lados positivos. Agora, somos
    forçados a olhar para os olhos das pessoas quando falamos uns com os
    outros. POPEYE9700@YAHOO.COM

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2002
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2001
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2000
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 1999
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Fazer olhinhos

Em destaque no SAPO Blogs
pub