Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

BAGA FICÁMOS A VER NAVIOS (BB108)

Maio 13, 2020

Tarcísio Pacheco

ferry.jpg

imagem em: https://www.clipart.email/clipart/clipart-ferry-boat-cartoon-336991.html

BAGAS DE BELADONA (108)

HELIODORO TARCÍSIO

BAGA FICÁMOS A VER NAVIOS - Não duvido que a decisão do Governo Regional de cancelar a habitual operação de fretamento dos ferryboats que no Verão ligariam as nossas ilhas foi acertada, no contexto atual. Com os entraves colocados ao turismo externo e à nossa própria circulação entre as ilhas, com o magro e triste Verão que se prevê, não se perceberia que fosse de outro modo. Contudo, o mesmo já não posso dizer de outra decisão, divulgada na mesma altura, a de cancelar o último concurso internacional para construção de um navio de passageiros ou misto destinado a servir os Açores. Este projeto foi sempre uma novela mexicana e com muitos críticos internos, desde o início, desde a história rocambolesca e mal contada do ferry Atlântida, combinada com a novela venezuelana dos estaleiros de Viana do Castelo. Agora, parece-me que o Governo aproveitou a oportunidade para se livrar de um projeto controverso e dispendioso, que não lhe estava a calhar nada bem. E assim, com a desculpa do vírus e da crise económica que, inevitavelmente virá depois, não teremos ferry açoriano por muitos anos. Mas como a vida continua e a epidemia há de passar e enquanto não vier a próxima, voltaremos a viver a sério, provavelmente já em 2021, com Verão, sol, mar, turistas, festas, música, touradas e muita vontade de viajar nem que seja só ali ao lado a S. Jorge para comer umas lapas com o sotaque deles. E, sem ferry, mas cheios de vontade, nem tanto de dinheiro, vamos clamar por barcos que nos levem comodamente e aos nossos belos popós. Porque entre um barco e um avião haverá sempre enormes diferenças. Nem que seja porque, se a maioria das pessoas sabe nadar, nunca conheci ninguém capaz de voar, se excetuarmos o Super Homem, que era emigrante ou, melhor dizendo, refugiado.. Assim, para satisfazer o povo, lá terá o Governo de continuar a fretar ferries com elevados custos. Que seriam muito mais elevados, clamam os críticos internos, se tivéssemos o tal ferry açoriano, devido à manutenção e aos custos fixos. Tenho grande dificuldade em entender esses críticos. Que não querem ferries fretados, mas também não querem um ferry açoriano. Que querem eles afinal? Ah, dizem eles, que não podemos pagar, que somos pequeninos, que temos pouca gente, etc, etc. Mas a SATA e os seus desvarios, prejuízos e dívidas parece que já podemos pagar. Não podemos comprar barcos, mas podemos comprar aviões. E se as desculpas passam pela nossa localização geográfica, pelo isolamento, pela dimensão das ilhas, pela reduzida população, pela incerteza do clima, pela fúria do mar, lugares como as ilhas Faroé desmentem isso tudo. Eles têm ferry, todo o ano.

No ano passado estive nas ilhas Faroé. Que têm apenas 50.000 habitantes e problemas semelhantes aos nossos, mas bem piores. As ilhas deles são menos habitáveis, mais montanhosas, mais inóspitas, mais frias e ficam cheias de neve no Inverno. Os estudos dizem-nos que a situação deles tem melhorado nos últimos anos (nos anos 50, havia muita falta de mulheres, por exemplo e por isso mesmo, uma baixa taxa de natalidade). Atualmente, os Faroeses vivem sobretudo de atividades do setor primário, com destaque para a pesca e a pecuária (ovelhas por todo o lado), do comércio e serviços e de… claro, turismo, muito. Evidentemente, as ilhas têm um aeroporto internacional, com voos diários. Têm pequenos ferries entre as diversas ilhas (18, apenas uma desabitada). Mas têm ligações regulares por via marítima com a Dinamarca e a Islândia, com um moderno ferry, o NORRÖNA, construído em 2003 na Alemanha, por 100 milhões de euros. E sim, o governo das Faroé ajudou bastante a empresa nessa altura, era do interesse público, como clama o Governo Regional quando ajuda a SATA todos os dias e desde sempre. O Norröna tem bandeira Faroesa e o porto de registo é Tórshavn, a capital das ilhas; é grande, seguro, bonito, tem 3 restaurantes e naveguei nele no percurso Dinamarca/Faroé, Islândia, ida e volta. O Norröna navega todo o ano, com neve, frio e tempestades, embora, por vezes, a empresa, a Smyril Line, seja forçada a cancelar viagens no Inverno. Adorei o Norröna. E quando chega a um porto, os passageiros aguardam um bom bocado enquanto o navio descarrega rapidamente todo o tipo de carga em contentores que são operados por rápidos camiõezinhos que se atrelam em 3 minutos. Portanto, é possível operar com navios mistos, de carga e passageiros e operar todo o ano. Espanha tem carreiras regulares de ferry entre as Canárias e Cádis, por exemplo. É uma questão de “modelo” de transportes, como agora está na moda dizer-se. E sobre o nosso “modelo” eu teria muito a dizer, se tivesse espaço para isso. É uma porcaria de modelo, que serve sobretudo os interesses de grupos empresariais e da ilha de S. Miguel.

E é assim um pouco por todos os arquipélagos e países com largas extensões de costa deste planeta. As pessoas usam barcos, há milhares de anos e continuam a usar. Há quem pense que somos modernos porque temos aviõezinhos em S. Miguel e aeroportos em todas as ilhas. Mas, na verdade, recuámos 200 anos no tempo. Porque, há 200 anos, havia navios à vela a ligar todas as ilhas, com carga e passageiros. Os aviões jamais poderão competir com os ferries, exceto no que diz respeito à velocidade. Agora, eu gostava de entender porque é que as nossas 9 ilhotas no meio do Atlântico Norte não precisam de ter ferryboat próprio. Ou, se precisam, porque é que andamos há anos a alugá-los a outros. Ou por que cargas de água é que temos de ser condenados a viajar apenas em aviõezinhos e nos da SATA, ainda por cima? É maldição? Imposição da CE?  Sina, má sorte? “Tem de ser”? “Não há alternativa”? Alguém que me explique. Obrigado. popeye9700@yahoo.com

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2002
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2001
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2000
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 1999
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Fazer olhinhos

Em destaque no SAPO Blogs
pub