Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

BAGA TRÁGICÓMICA (BB134)

Abril 26, 2022

Tarcísio Pacheco

Putin (1).jpgimagem em: Vladimir Putin | Cartoon Movement

 

 

BAGAS DE BELADONA (134)

HELIODORO TARCÍSIO          

BAGA TRAGICÓMICA - Recentemente, o Grande Tumor testou um míssil novo, o top dos mísseis, com que começou logo a chantagear-nos. Com estes mísseis intercontinentais, equaciona matar-nos a todos, se não o deixarmos arrasar a Ucrânia e continuarmos a prejudicar o pobre povo russo que, coitadinho, sofre muito com a malvadez ocidental, com a perda de empregos originada pelas sanções e já nem consegue comer uma Big Mac. Bem, não acredito na Humanidade, já não é de agora e já estou por tudo. Lamento profundamente, sobretudo pelos meus filhos, mas também pelos filhos dos outros. E por todos e tudo o que amo na vida. Mas, não devemos recear a morte, já que ela é inevitável para todos os seres vivos, Grande Tumor incluído. Devemos, sim, ter medo, muito medo, de viver como ratos, escondidos nos esgotos da nossa ansiedade. A minha consolação principal é que, se acontecer o pior, morremos quase todos, mas da Rússia e dos russos pouco sobrará. De resto, temos provado ao longo dos tempos sermos uma espécie tão tóxica que, se calhar, é melhor mesmo ficarmos por aqui na nossa “evolução”, para evitar que, no futuro, venhamos a infetar outros planetas do universo com a nossa maldade essencial. Para onde fossemos levaríamos na bagagem a música de Andrea Bocelli e pombinhas brancas, é certo, mas também mísseis nucleares, para referir apenas um tipo de arma, das mais letais. E acima de tudo, exportaríamos para todo o lado, o nosso amor pelo poder, pela conquista, pela guerra, pelo confronto, pela ambição, pela competição, pela ganância, pela riqueza e pelos bens materiais.
Isto já atingiu o nível da tragicomédia e seria motivo para rirmos muito, se não houvesse tanta gente a sofrer. Os episódios absurdos acontecem praticamente todos os dias. Quando ocorreu o afundamento do cruzador Moskva, pudemos ver no “parlamento” russo, um deputado histérico, aos gritos, à beira da apoplexia, gritando que era um “ultraje”. É aqui que dá vontade de rir. Depois de toda a destruição, barbárie, violência, massacre e homicídio a que temos assistido na Ucrânia desde fevereiro, os russos sentem-se “ultrajados” pela perda de um navio e clamam por vingança. A frota russa inteira não vale a vida de uma única criança ucraniana.

Depois, temos também a cómica questão do armamento cedido pelo Ocidente à Ucrânia. O Grande Tumor até nem se importa que venham umas espingardas de caça, umas baionetas da I Grande Guerra e uns camiões de garrafas de vinho do Porto para o pessoal, depois de as beber, preparar uns cocktails molotov. Mas armamento a sério, que equilibre um pouco as capacidades de invasor e invadido, isso já é motivo para declarações de guerra. Portugal pode também mandar uns excedentes de G3, não há problema, o Grande Tumor até tolera, afinal tem os seus amigos do PCP por cá. Mas os EUA não podem mandar nada. Porquê? Porque não, evidentemente. A Ucrânia também não pode aceitar combatentes voluntários não ucranianos. Mas a Rússia pode pagar a levas de carne de canhão síria e líbia. O Grande Tumor pode ter mísseis intercontinentais que chegam a qualquer ponto da Terra em minutos e têm capacidade para destruir o planeta. Mas a Suécia e a Finlândia, países livres e soberanos, com dirigentes eleitos pelos seus povos, em regimes absolutamente democráticos, não podem aderir a uma aliança defensiva, se assim o entenderem. Como se quaisquer vizinhos não russófonos desta Rússia não tivessem que encher as fronteiras de alarmes e armadilhas para bichos perigosos, para poderem dormir minimamente descansados…

Por cá, sendo alguém que sempre se assumiu, ideologicamente, de esquerda, sinto uma imensa vergonha de partilhar o país com o PCP. Podiam até ter ficado pela simples recusa de participar na sessão com Zelesnky e já seria uma nódoa resistente a qualquer lixívia. Mas não se contentaram com isso. A declaração formal da líder parlamentar comunista foi um escarro nojento e um eco descarado da propaganda russa. O PCP é um partido anacrónico, em queda há bastante tempo, vivem em clima de negação, agarrados a um mundo que já nem existe. É bastante provável que esta atitude seja o princípio do fim para eles porque causaram asco e repulsa um pouco por todo o país. Mas não devem desanimar. Podem sempre emigrar para a Rússia, embora seja garantido que não vão encontrar por lá nenhum tipo de comunismo. De resto, entre tiranias e totalitarismos de direita ou de esquerda, não vejo qualquer diferença. Putin, Le Pen, Ventura, Trump, Bolsonaro, Maduro, Kim Jong-un, Orbán, para citar apenas alguns de entre os vivos, são todos filhos da mesma Besta. É tudo a mesma farinha, só que em sacos diferentes. Lixo e escória da Humanidade.

POPEYE9700@YAHOO.COM

 

 

BAGA MUNDO FEIO (BB 133)

Abril 05, 2022

Tarcísio Pacheco

u-s-weighs-tougher-russia-sanctions-after-evidence-of-bucha-killings.jpg

imagem em: U.S. weighs tougher Russia sanctions after evidence of Bucha killings – KleaBe

 

BAGAS DE BELADONA (133)

HELIODORO TARCÍSIO          

BAGA MUNDO FEIO – A raça humana é terrível e a nossa civilização já era uma coisa feia de se ver “lá de cima”, se é que há alguém ou alguma coisa a observar-nos, de algum lado. Mas o mundo conseguiu a considerável façanha de piorar bastante, a partir de fevereiro.

Desde os primórdios da Humanidade, desde o tempo das cavernas, que somos uma raça agressiva e violenta. Encontrámos sempre bons motivos para matar, torturar, agredir, violar, assaltar, escravizar e roubar o nosso semelhante. E a parte da nossa civilização que era suposto contrariar essas tendências inatas para a desgraça, as religiões e a filosofia, a nossa parte ética e transcendental, foi ela própria, a origem de muita intolerância e violência. Porque quem quer praticar o mal encontra sempre justificação. Torta, mas encontra-a. Vejam lá se não está tudo no Alcorão…

Apesar de todos os nossos problemas, analisando a vida com o devido distanciamento crítico, era possível ver um padrão de desenvolvimento filosófico e moral, aquele que, pessoalmente, mais me interessa, acima da economia e tecnologia, os grandes eixos civilizacionais. No período entre a II Guerra Mundial e a atualidade, apesar dos muitos disparates, atentados, corrupção e malfeitorias de toda a espécie, havia um padrão evolutivo em marcha, visível, por exemplo, no respeito pela democracia, autodeterminação dos povos, tolerância religiosa, respeito pelos direitos humanos, respeito pela diferença, respeito pelos direitos dos animais e na tendência à desmilitarização e desarmamento progressivo.  

Esse padrão teve agora uma quebra evolutiva brutal, com a entrada em cena de Putin, o Grande (Tumor). Na verdade, tudo isto estava a ser preparado há muito tempo, ensaiado na Síria e iniciado na Crimeia mas o mundo andava distraído, entretido com um projeto, que agora sabemos fantasioso, de paz, tecnologia, prazer, turismo, ecologia, cultura e grandes negócios.

Criaturas infernais como o Grande Tumor foram abundantes na História, Gengis Khan, Átila, o Huno, Alexandre, o Grande, Napoleão Bonaparte, Hitler… Psicóticos megalómanos, que sonharam construir impérios sobre o sangue e as tripas de quem se lhes opusesse. Mas não estávamos à espera que nos surgisse um em pleno séc. XXI.

A situação na Ucrânia está a atingir os limites do minimamente tolerável. O ponto em que alguma coisa tem mesmo de ser feita. O nível de insanidade, loucura, alienação e agressividade está a tornar-se rapidamente insustentável. Estamos perante uma trágica palhaçada. No presente, o Grande Tumor é um líder totalmente desacreditado, a Rússia tornou-se um estado pária entre as nações civilizadas e pacíficas e absolutamente nada do que diz o Grande Tumor ou qualquer membro da sua corte, merece a mínima credibilidade. Temos de partir do princípio que mentem sempre. Cada vez mais parecido com o Grande Suíno Coreano, o Grande Tumor Moscovita só é escutado quando fala sentado numa das suas seis mil e tal ogivas nucleares. E como ele, agora, está lá sentado a maior parte do tempo, isso provavelmente anda a causar-lhe bicos de papagaio e aumentar-lhe a acidez da bílis que, de resto, sempre foi tóxica e fedorenta, desde os tempos do KGB.

Atenção, que não perdi o senso da realidade. O Grande Tumor é uma besta apocalíptica, provavelmente a pessoa mais odiada do mundo na atualidade e eu próprio tenho sonhos deliciosos em que lhe rebento a cabeça.  Mas não há inocentes nesta tragédia planetária. Basta lembramos a forma ignóbil como os EUA trataram (e ainda tratam) Cuba durante tanto tempo e as inúmeras trapalhadas que congeminaram por esse mundo fora, por onde lhes cheirasse a comunismo ou a mero esquerdismo. E não sei se há assim tanta diferença entre KGB e CIA. Contudo, os EUA nunca invadiram Cuba (embora o tenham equacionado), não arrasaram a ilha, não lhe atiraram com mísseis, não mataram crianças cubanas e não massacraram civis. Tem-lhes feito muito mal mas deixaram-nos sempre viver e acolhem os muitos que fogem para Miami. E os EUA não têm sonhos megalómanos de alargar “o seu império” e dominar o mundo, pelo menos não militarmente. O amor natural da Humanidade pelo dinheiro faz isso por eles. Sempre fui crítico dos EUA mas, apesar de tudo, há grandes diferenças. E não há comparação possível entre soldado russos e norte-americanos.

Uma palavra sobre Donald Trump. Se alguém ainda tinha alguma ilusão de que esta criatura apresentava algum vestígio do que é preciso para ser estadista mundial, para além de prosápia e dinheiro, deve ter ficado esclarecido agora. Só faltou mesmo um email para o amigo Vladimir, a usar em caso de guerra, com as localizações GPS das propriedades da  família Biden. E nem uma palavra em defesa da Ucrânia. Que criatura nojenta. Que asco me causa.

Ando a ver atentamente o que se passa. Desejo ardentemente estar enganado mas prevejo tempos tenebrosos para o mundo no futuro próximo. Que raio de mundo feio! POPEYE9700@YAHOO.COM

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2002
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2001
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2000
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 1999
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Fazer olhinhos

Em destaque no SAPO Blogs
pub