Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

EU, HEREGE, ME CONFESSO

Janeiro 14, 2008

Tarcísio Pacheco

 

 

imagem: http://kdfrases.com/frase/135396

 

 

Depois de encerrada esta quadra de paz e fraternidade, em que nos fartámos de amarmo-nos una aos outros, volto à cena,para concluir  uma série de artigos em que divulgo publicamente as minhas perspectivas sobre a Igreja Católica. Particularmente, senti o amor de Sócrates e do seu ministro das Finanças, no apuramento do IRS de 2005 e uma cristã vontade de retribuir na mesma medida. Contudo, respeitei esta época de tréguas, especialmente propícia a acontecimentos miraculosos. Pois que outra coisa senão um milagre divino salvou da desgraça um certo nosso concidadão, antigo agente da P.I.D.E., essa benemérita instituição de aproveitamento dos tempos presos dos trabalhadores. Com efeito, este nobre cidadão, segundo o seu próprio relato, foi recentemente vítima de um bárbaro atentado,  planeado  com toda a certeza pela célula local da Al-Quaeda e   levado a cabo no parque de estacionamento do Modelo; mas o imberbe e inexperiente recruta terceirense esqueceu-se do colete de explosivos em casa e isso constituiu a intervenção divina;  desesperado, limitou-se então a tentar um simples esmagamento contra a própria viatura da inocente vítima que, no momento, acomodava pacatamente os víveres na bagageira do seu automóvel; o vivo relato dessa atroz manobra levou-me a imaginar o pior, no mínimo uma paraplegia definitiva. Mas, felizmente, cruzei-me esta semana com este nosso concidadão, subindo a rua da Sé, no seu habitual passo lampeiro e uma onda de alegria fraternal inundou o meu coração pelo rotundo falhanço do que deve ter sido um dos principais atentados terroristas de 2007, manchete em toda a comunicação social.

Voltando ao nosso assunto, recordo que basicamente, a minha concepção da Igreja Católica radica no crença de que esta organização é uma construção milenar de domínio e poder espiritual que até há pouco tempo (tempo na medida histórica)  era também de ambição temporal, realizada por seres humanos (leia-se, por homens, do sexo masculino),  com pouco de comum com a primitiva mensagem cristã e acredito que sem qualquer inspiração divina, seja lá o que for que queira dizer “inspiração divina” que eu também, pobre e limitado humano, não sei ao certo.

Se eu, num improvável ataque de limitação à minha própria liberdade intelectual, resolvesse tornar-me cristão, quando posso ser tudo o resto, não prestaria a menor atenção à Igreja Católica. Dedicaria o meu tempo à pesquisa e leitura de todas as fontes sobre o Cristianismo e seus antecedentes históricos e culturais e o seu berço étnico e geográfico. Leria tudo o que há para ler, desconfiando especialmente daquilo que  a Igreja Católica há muitas centenas de anos determinou que é a Verdade e a Única Verdade, pela simples razão de que isso é altamente suspeito para qualquer pessoa inteligente e com espírito crítico. Pelo contrário, prestaria especial atenção aos escritos apócrifos e a todos os documentos históricos que a Igreja Católica tentou desde sempre esconder, destruir,sonegar ou desmentir, a fim de impor a sua versão da Verdade.. Tentaria ter uma visão tão completa, imparcial e fidedigna, quanto possível. Provavelmente leria a Biblia de fio a pavio. Numa versão tão integral quanto possível. Muitas outras pessoas o fizeram também. Por isso há hoje em dia tantas igrejas de raiz cristã que não querem saber do Vaticano para nada, não se revendo nesse pequeno Estado temporal, autocrático, decadente, corrupto, misógino, governado por velhos   e altamente politizado. E, evidentemente, há toda uma multiplicidade de interpretações variadas da Bíblia, umas mais radicais, outras mais comedidas. Apaixonantes e fulcrais  questões separam os pensadores dessas igrejas. O que caiu do céu durante o Êxodo foi mesmo Maná , Kéfir ou recheio de bolacha Oreo ?  Deus terá mesmo dito a Isaac para sacrificar o seu filho único ou Deus é brincalhão e não se ia pôr com tolices dessas e Isaac  é que não tinha o menor senso de humor ? Jesus terá mesmo namorado com Maria Madalena ou limitavam-se apenas a ficar a conversar até altas horas da noite no decurso das suas deambulações pelas então aprazíveis regiões da Judeia ? As mulheres devem usar saias ou calças durante a missa ? As mulheres devem usar calças ? Há toda uma série de apaixonantes questões bíblicas.

Eu vou um pouco mais longe. Não sei bem o que me separa do Cristianismo, nunca me dediquei ao seu estudo. Mas sei o que me separa da Igreja Católica. Praticamente tudo.

Começo pela mito (fabricado, como todos os mitos) da infalibilidade do Papa, chefe supremo da Igreja Católica. Instituído em 1870, este dogma proclama  a infalibilidade do Papa em questões de doutrina, fé e moral. O Papa é infalível porque isso convém a quem quer impor a sua autoridade. Foi uma manobra política inteligente que na altura indignou muita gente e levou bastantes a abandonar a Igreja Católica. Dá imenso jeito quando se quer mandar num monte de gente. Robert Mugabe fez algo semelhante no Zimbabwe.   Bom, eu sou um estudioso da  História, por dever de ofício e alguma vocação.  É um facto  histórico que houve Papas de todos os tipos, guerreiros, violentos, dissolutos, velhacos, corruptos, tarados,meros políticos, etc.  Ninguém em seu juízo perfeito defenderá a infalibilidade de criaturas como Alexandre VI, Julio II, Leão X ou Inocêncio IV, seja lá em que matéria for pelo simples facto de que eles não eram modelo para ninguém em  nenhum aspecto. Se esses eram tudo menos infalíveis, não vejo motivo para que nenhum dos outros, incluindo obviamente o actual, possa ser considerado infalível, seja lá no que for. Os Papas são governantes poderosos, que já eram poderosos enquanto Cardeais e que chegaram ao poder máximo pelas mesmas vias que todos os poderosos chegam, uma mistura de inteligência, competência, mérito pessoal, trabalho e diligência, diplomacia mas também ambição pessoal, alianças políticas, conspiração, cedências, pactos de poder, conveniências,  trabalho de sombra e não poucas vezes, traição. Deixem o Espírito Santo fora disto.

Continuo pelo celibato sacerdotal. Um amigo padre (sim senhor, tenho um bom amigo que é padre), explicou-me um dia, no decurso de uma viagem de veleiro para a Graciosa  numa bela e divinal noite estrelada de Verão, a fundamentação da Igreja Católica para esta norma, que já foi responsável por tanta barbaridade neste mundo. Na verdade diz ele, não há nenhuma razão doutrinal para esta imposição, trata-se de uma disposição de base teológica. Não tem fundamento nos actos e doutrinas de Jesus ou dos Apóstolos. A posição oficial da Igreja Católica sobre este assunto hoje em dia é que não exigem o celibato aos seus ministros, simplesmente os recrutam entre os celibatários. Sim senhor, tenho de reconhecer que é uma manobra inteligente, é de mestre mesmo. Et voilá, isto é só para quem quer. O problema é que esta imposição  intransigente teve como consequência o arrastamento de muitos religiosos para todo o tipo de perversões sexuais, com destaque para a pedofilia, ao ponto de já se ter escrito que a Igreja Católica é a maior organização pedófila do mundo. A verdade sobre esse tema foi vilmente ocultada pela própria hierarquia católica  desde sempre e só bem recentemente, quase como num efeito dominó, têm surgido um pouco por todo o mundo, as acusações, denúncias e confissões. Acontece que o instinto sexual é bem poderoso na natureza, talvez o mais forte de todos, provavelmente porque é indispensável à perpetuação da espécie e está codificado a ouro nos  nossos genes. Com raras excepções, na Natureza, todos os seres  sentem necessidade de ter com determinada regularidade  alguma forma de sexo. Isso já vem desde os tempos das orgias no caldo primitivo quando as primeiras amibas e protozoários perceberam que era muito mais interessante fazer Aquilo com outro, não desfazendo nas delícias do sexo solitário. Nos animais esse instinto está primordialmente associado á reprodução. Num passado não assim tão longínquo,  a Igreja pretendeu que fosse assim também entre as pessoas. Na realidade,nos humanos, os seres considerados superiores no nosso mundo, o sexo é parte fundamental das relações afectivas entre as pessoas. E porque fomos criados com órgãos sofisticados próprios para o prazer, o sexo também é entre nós, consoante a disposição de quem o pratica, um mero acto de partilha de prazer, uma forma de pressão, coacção ou corrupção, de lucrativo negócio e infelizmente, de sobrevivência, por vezes.. Como seres humanos, a maioria dos religiosos católicos não está imune , ao longo da sua vida às pulsões sexuais. O celibato forçado acarretou toda uma infindável série de desgraças, tristezas, sofrimento, perversão e violentação.  Situações que a Igreja Católica preferiu ignorar ou ocultar até porque muitas vezes estavam envolvidas as altas esferas e  poderosos eclesiásticos. A consequência mais óbvia, para além do sofrimento de milhões de seres, desde os próprios prevaricadores até aos meninos de coro violentados e às inúmeras Amélias dos Padres Amaro, é neste momento o forte descrédito da instituição e a drástica diminuição da capacidade de recrutamento.  Mesmo assim, a Igreja Católica e  especificamente Bento XVI, teimam em manter uma regra que, pasme-se, apenas foi instituída como tal, para o clero secular,  no Concílio de Trento, EM MEADOS DO SÉCULO XVI ! Pessoalmente, eu que sou uma pessoa prática e simples, não vejo qualquer antagonismo entre a prática sexual saudável, norteada por princípios morais e pacíficos e a instituição do sacerdócio. Ah claro, os padres casados e com filhos ficariam sempre com menos tempo livre. Esqueci-me que a Igreja Católica só admite o sexo conjugal “normal”.  Mas isso fica para outra vez. Eu  sou só um pobre herege que um dia foi baptizado à força.

Afinal, tenho muito mais ainda a dizer sobre este assunto. Mas já me alonguei e estou a tentar reduzir o  tamanho dos meus artigos, que eu próprio considero excessivo por vezes.  Assim sendo, espero voltar a este assunto posteriormente, se me deixarem. Críticas e posições diferentes são tão bem vindas quanto elogios  : )

Popeye9700@yahoo.com

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2002
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2001
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2000
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 1999
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Fazer olhinhos

Em destaque no SAPO Blogs
pub