Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

popeye9700

Crónicas e artigos de opinião, a maior parte publicada no Diário Insular, de Angra do Heroísmo.

MUNDO NOVO

Junho 28, 2011

Tarcísio Pacheco

 

 

imagem: http://naluzdamanu.blogspot.pt/2013/01/ano-novo-voce-novo-mundo-novo.html

 

 

Os últimos tempos têm sido marcados por grandes convulsões. Política e sócio económica em Portugal, sísmica e nuclear no Japão. Apesar de tudo, ainda saímos favorecidos. Não me desagradam de todo os tempos das grandes convulsões. Não é que tenha qualquer prazer no sofrimento das pessoas, longe disso. Mas a Humanidade precisa desses fenómenos para aprender e evoluir. Foram necessárias as terríveis hecatombes das duas Guerras Mundiais, para as pessoas perceberem até que ponto podiam chegar os resultados de um conflito generalizados com as armas sofisticadas que a Humanidade já possuía. Ninguém acha possível que algo de semelhante possa ocorrer no contexto atual, em que se tenta sempre privilegiar a via do diálogo. Claro que não estamos livres de alguma loucura de regimes radicais, como os fanáticos do Irão ou os doidinhos da Coreia do Norte. A crise nuclear do Japão que, no momento, em que escrevo, está muito longe de encerrada, já está a ter o efeito positivo de fazer repensar o recurso a um tipo de energia extremamente perigosa e instável, que tem, inclusivamente, poder para destruir o mundo, de diversas formas.

Pensando em Portugal, a minha maior angústia tem a ver com a falta de alternativas. As crises políticas e sísmicas até podem ter um certo paralelismo. Derrubar tudo, para construir de novo. Mas construir com o quê ? Com a mesma tijoleira e argamassa? Irá tudo ao chão de novo, é uma questão de tempo. Com todo o distanciamento partidário que quem faz o favor de me ler, sabe que tenho, afirmo que não há, em rigor, qualquer diferença entre socialistas e social-democratas. Mais preocupação (relativa, muito relativa, como temos visto) com os apoios sociais para uns, mais liberalismo económico para outros. E cessam aí as diferenças, a fauna que por lá pulula é, essencialmente, da mesma família animal. Têm outro rótulo mas são os mesmo políticos profissionais, sedentos de poder e benesses, com o seu imenso cortejo de amigos e oportunistas, de lambe-botas e sabujos, de carreiristas de toda a espécie, de empresários sem escrúpulos e de banqueiros, que até podem ser do Opus Dei mas que acabam fazendo as mesmas patifarias que os outros. Passos Coelho passa por ser, no momento, o campeão das hostes dos deserdados da sorte e dos insatisfeitos. Ainda por cima exibe aquele ar de betinho bem comportado, de cristão liberal e genro ideal. Mas, infelizmente, não tenho muitas dúvidas. Não acredito que possa ser O POLÍTICO, realmente corajoso e de elevado sentido ético de que o país precisava agora. Alguém que arrasasse o sistema, a que já me referi nestas páginas, que domina e apodrece o país, montado ao longo dos anos, essencialmente pelos políticos social-democratas (Cavaco Silva incluído, sem dúvida) e socialistas. Nenhum lobo vai trair a sua alcateia. Nem os lobos mais velhos deixariam.

Do que realmente precisávamos era de um mundo novo. É a minha utopia privada mas vou insistir nela enquanto for vivo. Uma pessoa nunca perde o direito de sonhar. No meu mundo, há democracia, sem dúvida, mas não há políticos profissionais nem o poder está entregue a partidos políticos. Sei que chego ao cúmulo do lirismo quando digo que nesse mundo, o maior poder seria o do amor e não do dinheiro. O amor genuíno e universal, não o que é formalizado e ditado pelas religiões instituídas. Como a religião católica “meus filhos, amem-se uns aos outros mas, atenção, é homens com mulheres, entendido ???”.

No meu mundo, o transporte seria basicamente o coletivo, à base de energias limpas. Se não somos capazes de as criar, então ficamos quietos e esperamos até ficarmos mais inteligentes. Deixava o petróleo onde está. Tenho a certeza que a natureza não o criou para a gente o transformar em plástico e espalhá-lo por todo o mundo. Chega de esburacar a terra. Nós estamos, nitidamente, no mau caminho. Só inventamos coisas que estragam, que poluem,, que já ameaçam, até, destruir o nosso planeta e a sua luxuriante vida, que levou tantos milhões de anos a evoluir. Que porcaria de civilização que somos…

Precisamos realmente de um mundo novo. Um dia destes farei uma proposta a sério e garanto que será muito diferente deste e do de Maranatha também. Talvez tenhamos que arrasar o mundo antigo. Talvez seja necessário um grande sismo e uma data de tsunamis. Os próximos tempos não serão de imobilismo e pasmaceira. Vai haver mudanças. Isso já é bom. E mesmo, sem sismo, tenho a grata impressão que vamos , pelo menos,  ter um pequeno e muito cirúrgico tsunami, que vai levar de arrasto, Sócrates Pinóquio e o seu insuportável e trombudo Ministro das Finanças. Ah, lamento ter desiludido quem, no principio deste artigo, pensou que ia ler uma analise política à maneira. Não sou desse filme. Sou de um filme de autor, daqueles obscuros,  pouco conhecidos e não comerciais. POPEYE9700@YAHOO.COM

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2002
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2001
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2000
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 1999
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Fazer olhinhos

Em destaque no SAPO Blogs
pub